Para Bárbara, Raliny e Renata

"(...) Mas aconteceu que o principezinho, tendo andado muito tempo pelas areias, pelas rochas e pela neve, descobriu, enfim, uma estrada. E as estradas vão todas na direção dos homens.
- Bom dia, disse ele.
Era um jardim cheio de rosas.
- Bom dia, disseram as rosas.
O principezinho contemplou-as. Eram todas iguais à sua flor.
- Quem sois? perguntou ele estupefato.
- Somos rosas, disseram as rosas.
- Ah! exclamou o principezinho...
E ele sentiu-se extremamente infeliz. Sua flor lhe havia contado que ela era a única de sua espécie em todo o universo. E eis que havia cinco mil, iguaizinhas, num só jardim!

(...)
Depois, refletiu ainda: "Eu me julgava rico de uma flor sem igual, e é apenas uma rosa comum que eu possuo. (...) Isso não faz de mim um príncipe muito grande..." E, deitado na relva, ele chorou.
E foi então que apareceu a raposa:
- Boa dia, disse a raposa.

(...)
- Quem és tu? perguntou o principezinho. Tu és bem bonita...
- Sou uma raposa, disse a raposa.
- Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste...
- Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. não me cativaram ainda.
- Ah! desculpa, disse o principezinho.
Após uma reflexão, acrescentou:
- Que quer dizer "cativar"?

(...)
- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa "criar laços..."
- Criar laços?
- Exatamente, disse a raposa. Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...
- Começo a compreender, disse o principezinho. Existe uma flor... eu creio que ela me cativou...

(...)
- A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. Os homens não têm mais tempo de conhecer alguma coisa. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me!
(...)
- Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a tua é a única no mundo. Tu voltarás para me dizer adeus, e eu te farei presente de um segredo.
Foi o principezinho rever as rosas:
- Vós não sois absolutamente iguais à minha rosa, vós não sois nada ainda. Ninguém ainda vos cativou, nem cativastes a ninguém. Sois como era a minha raposa. Era uma raposa igual a cem mil outras. Mas eu fiz dela um amigo. Ela á agora única no mundo.
E as rosas estavam desapontadas.
- Sois belas, mas vazias, disse ele ainda. Não se pode morrer por vós. Minha rosa, sem dúvida um transeunte qualquer pensaria que se parece convosco. Ela sozinha é, porém, mais importante que vós todas, pois foi a ela que eu reguei. Foi a ela que pus sob a redoma. Foi a ela que abriguei com o pára-vento. Foi dela que eu matei as larvas (exceto duas ou três por causa das borboletas). Foi a ela que eu escutei queixar-se ou gabar-se, ou mesmo calar-se algumas vezes. É a minha rosa."


O Pequeno Príncipe - ANTOINE DE SAINT-EXUPÉRY

Hoje eu fiquei aqui lembrando de todas as coisas pelas quais já passamos juntas...
Lembrei do dia em que eu vi Raliny pela primeira vez (dia do cadastramento na universidade) e minha prima nos apresentou. Daí em diante passamos a nos falar pelo orkut, mas não nos víamos com frequência depois que as aulas começaram.
Renata eu vi pelo primeira vez no dia da matrícula. Lembro que eu pedi pra Armando mudar meu horário todo porque na época eu fazia UEPB de manhã e queria terminar o período lá. Aí ela já veio perguntando qual o curso que eu fazia lá (doida pra puxar assunto e fazer amizade - bem a cara dela).
Já Bárbara, eu vi pela primeira vez na aula de Desenho Básico. Era muito engraçado porque a gente não se conhecia, aí uma passava pela outra e dava um sorrisinho amarelo. Lembro também que ela sempre tinha perguntas a fazer na aula e chamava atenção com o sotaque que, na época, era bem carregado.
Aí passou o 1º período e eu não paguei nenhuma disciplina com vocês, exceto Introdução a Engenharia Civil. Mas a gente não teve muito contato durante esse tempo.
Mas chegou o segundo período e, junto com ele, chegaram as aulas de Geologia, o que fez com que a turma de Engenharia Civil se unisse mais, e eu me aproximasse de vocês. Aí foi nessa época que eu fui percebendo que ia ganhar novas amigas, e meu coração sentiu que iam ser grandes amigas!
Eu lembro de tudinho. Lembro de que passei um momentinho difícil no começo do ano e Bárbara e Renata me consolaram. Lembro que eu fui me aproximando estudando um pouquinho com elas aqui e ali, lembro de Bárbara indo comigo pra a Pio X e dizendo "Toda vez que Renata vem aqui ela chora"...
E a nossa amizade foi se consolidando aos pouquinhos. Foi como uma casa que é construída tijolo após tijolo. Só que no nosso caso, carinho por carinho, respeito por repeito, ajuda por ajuda, lágrima por lágrima, sorriso por sorriso...
O engraçado é que somos bem diferentes uma da outra. Bárbara é toda doce, meiga e desastrada; Renata é mandona e gosta das coisas do jeito dela; Raliny é toda organizada, preocupada, estressada; e eu... Eu acho que sou um pouquinho de cada uma. Só que temos uma coisa muito importante em comum: levamos sério a responsabilidade que temos com aqueles que cativamos.
O que eu tô querendo dizer com tudo isso é que vocês eram para mim rosas iguais a tantas outras rosas... Mas vocês me cativaram e, como disse Raliny um dia, "acho... que não consigo mais viver sem vocês".
Uma pernambucana, uma rondoniense e duas paraibanas! Eu sei que é bem difícil pra Bárbara e Raliny morarem longe da família... Mas... Renata disse: "por mais que a amizade não supra a necessidade de um pai ou de uma mãe, a gente tenta amenizar essa saudade...".
Meninas, vocês fizeram um pedaço do que eu sou hoje. E eu aprendi muito com vocês. Vocês me ensinaram muito mais que mecânica naquelas madrugadas em que a gente não dormia e ficava até o outro dia estudando, me ensinaram muito mais que cálculo ou física; me ensinaram a não desistir, a ir atrás do que eu quero, me ensinaram que amizade tá num sorriso, num abraço...
Eu resolvi dar um rumo diferente do de vocês à minha vida, mudei de curso, e já não compartilhamos mais tantos momentos juntas. E é bem difícil não ter vocês do meu lado sempre. Mas nem por isso estamos longe. Eu tenho vocês sempre perto, no meu coração.

"Ao contrário de uma ferramenta que usamos e depois jogamos lá no canto, os ursinhos de pelúcia não têm utilidade nenhuma, mas têm um significado especial, a gente tem carinho por eles, guarda num canto especial, por lembrar da pessoa que nos deu, ou por lembrar de algum momento de nossas vidas... A ferramenta só serve pra alguma coisa. Ursinhos têm significado. Pessoas são assim também. Existem pessoas que a gente acha que ama, e na verdade a gnte só tá do lado delas porque elas têm utilidade na nossa vida (é uma chave de fenda, que a gente só procura quando precisa) (...) O amor só é amor quando a gente descobriu que o outro é inútil, porque a gente percebe: 'Você não me serve de nada, mas eu não sei viver sem você!'"

Padre Fábio de Melo

Hoje me dei conta de sua inutilidade em minha vida. E agradeci a Deus por isso, porque só assim eu pude perceber a necessidade que tenho de vocês e posso saber que, de fato, as amo! E posso dizer: vocês não me servem de nada, mas eu não sei viver sem vocês!




A história dos "Três coqueiros e um coco"!


1 comentários:

  • Renata | sábado, 18 outubro, 2008

    Simone... Isso tá começando a ficar Chato, sabia?!
    Carambaaa!!!
    Toda vez que vou ler, começo a chorar...
    Quando tu me manda dar uma olhada em alguma coisa, já vou preparada... Com um lencinho na mão!!! [:P]

    Falando sério agora... hihi
    É engraçado como as coisas acontecem em nossas vidas... Lendo teu post de hoje, fiquei lembrando o começo do ano... Aliás!! Do ano passado e da raiva que eu tinha das aulas de Maridete... De ir praquele negócio no fim do mundo e chegar lá ela não tá... Pense numa raiva que dava!!!! Mas tudo bem... Realmente foi naquela aula que a gente começou a se aproximar... Já que tu não me deste muita moral no ato da matrícula, né?! hehehe Que muito pelo contrário, ficou pensando mal de mim... [:P]
    Mas é assim mesmo... Nada como o tempo!! rsrsrsrsrs
    Mas voltando a conversa...
    Começo do ano pessoas normais... Hj tão indispensáveis uma na vida da outra... Vou dar minha versão da história agora... Lembro que te via conversando com Bárbara depois da aula de Amaral e meio que ficava com ciúme (não vou mentir!!!), mas Bárbara sempre falava muito bem de ti... Aos poucos fui conhecendo... Primeiro escutando tuas conversas com Bárbara... Depois escutando tuas conversas, mas sendo elas direcionadas pra mim... E como isso me deixou feliz!!!! Sempre aprendi que o maior tesouro que a gente pode ter são nossos amigos... E como foi bom começar a sentir a amizade que tava começando a florescer... Mais um presentinho que Deus me deu...
    Bem, primeiro o show de Biquíni... “Chove chuva, Chove sem parar!!!” rsrsrsrsrsr (sabes do que tow falando...). Depois foi o 1º forró das antigas... Ali a gente sabia cantar todas!! (Só no: Minha estrelinha do céu!!! rsrsrsrs) Depois vieram todas as noites mal dormidas estudando... Mas o bom é saber que uma tava sempre do lado pra outra!! Quando uma ficava mal, tinha três pra consolá-la... Assim passou-se mais um período... E com ele veio a duvida da Mone sobre a continuação no curso... Nossa!!!
    Como doeu apoiá-la na decisão dela... Pq no fundo, no fundo, eu sabia que ela iria mudar de curso realmente!!! Como doeu imaginar que ela de alguma forma poderia acabar se afastando da gente... O que me aliviou foi ter a certeza que a amizade que tinha praticamente acabado de nascer, de alguma forma já havia sido litificada!! Tá ligada laços criados por Deus?! São assim... Independente do tempo que se passe nos dão a certeza do amor que existe... Amizade realmente criada por Deus e que tenho certeza que começou na hora certa pra cada uma... Na hora em que cada uma tava precisando de um ombro amigo... Quando uma tava deixando de acreditar em amizades verdadeiras, quando outra poderia estar pensando que havia algum problema em si mesmo, ou ainda quando outra tava sentindo uma falta imensa da família (e por mais que a amizade não supra a necessidade de um pai ou de uma mãe, mas a gente tenta amenizar essa saudade...)... Como é bom ter vcs ao meu lado... E como é bom sentir uma reciprocidade...
    Ai, ai, Mone... Independente de te ver todos os dias ou não, de estarmos no mesmo curso ou não... É imensamente maravilhoso ter tua amizade... Poder te dar a minha... ^^
    Amo-te, e Deus me dá a cada dia a certeza disso...
    Obrigado por tudo...
    Mas vou parando por aqui... Depois escrevo mais, viu?! Mais em quantidade e em organização... Tem umas idéias que tão meio perdidas aí pelo meio, mas é que ta tarde e eu tow com sono... ¬¬’
    Estarei sempre ao teu lado, minha amiga...
    Deus te abençoe...

    Bju bem grandãoooo!!!!!!

    Meu ursinho de pelúcia... ^^

    =****************